Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org
07
Abr 08
publicado por samizdat, às 14:16link do post | comentar

Desde a cimeira de Annapolis, em 27 de Novembro de 2007, durante a qual o primeiro-ministro Ehoud Olmert se tinha comprometido a parar com a colonização, 495 prédios estão a ser construídos em 101 colonatos, denunciou a organização não governamental Paz Agora, num relatório publicado no dia 31 de Março. Trata-se precisamente de 275 novas construções, das quais 20% estão situadas a leste da “barreira de segurança” edificada em terra palestiniana, e de 220 prédios cuja edificação continuou e que estão quase prontos.

“Não são apenas construções em curso que continuaram, foram elaborados novos planos, foram lançados concursos e foram aprovados projectos” sublinha o relatório, que precisa que o ministério da Defesa israelita aprovou a construção de pelo menos 946 fogos, que 184 caravanas foram instaladas nos colonatos existentes, das quais 150 a leste da “barreira de segurança”. Este frenesim construtivo também existe nos colonatos selvagens. Entre Agosto de 2007 e Fevereiro de 2008, em 58 das 105 implantações não autorizadas pelo governo israelita, houve construções e acrescento de casas pré-fabricadas.

Para completar este quadro, Paz Agora afirma que foram lançados concursos para a construção de 750 alojamentos em Jerusalém Oriental entre Dezembro de 2007 e Março de 2008, enquanto que durante todo o ano de 2007 tinham sido construídos apenas 46. O relatório acrescenta: “Novos planos para a construção de 3.648 fogos estão a ser objecto de um inquérito de utilidade pública”.

O relatório denuncia a decisão de elevar a município o colonato de Modi'in Illit, construído depois dos acordos de Oslo de 1993 em terras palestinianas. “Este anúncio feito discretamente é simbólico, pois vem reforçar e legitimar os colonatos”, diz a ONG […] A construção massiva à volta de Jerusalém Oriental cortará a cidade santa da Cisjordânia e impedirá a criação de um Estado palestiniano com Jerusalém Oriental como capital”. O relatório mostra que as autoridades israelitas estão a completar a cintura de colonatos que isolará totalmente a cidade santa da Cisjordânia. Já só falta um sector, a zona chamada E1, para que o cerco esteja completo.

 

Michel Bôle-Richard, correspondente do Le Monde em Jerusalem, 1.4.08

 

 

 


Escreve o meu nome na tua lista negra de colonos. Português e a viver em Alon Shevut. Não na Cisjordãnia, como dizes, mas na Judeia. Um pouquinho a sul de Jerusalém. Por mais que vos custe, Israel é e será uma realidade.
Boaz Canhoto a 4 de Julho de 2008 às 00:39

No seu modo de ver, de colono e colonialista, um dia tudo vai ser Judeia do Mediterrâneo a Bagdad. Mas lembre-se de uma coisa: o colonialismo à maneira antiga, como você o defende e como o praticamas milícias colonial-fascistas de hebron, foi derrotado no século XX. Para a comunidade internacional, existe um povo palestiniano e existe um território da Cisjordânia, ilegalmente ocupado. O nazismo também achava que podia ignorar a condenação do mundo. Durante um tempo teve sucesso. Depois, acabou da forma que conhece (ou talvez não). Assim acabará também o nazi-sionismo.
samizdat a 4 de Julho de 2008 às 17:52

mais sobre mim
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
16
17
19

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO