Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org
11
Mar 13
publicado por samizdat, às 22:27link do post | comentar
A Mob e o Comité de Solidariedade com a Palestina organizam no dia 16 de março, às 21h30, a projecção do filme:

CINCO CÂMARAS PARTIDAS
de Emad Burnat e Guy Davidi

90 min

Indicado para o Oscar 2013 de Melhor Documentário, "Cinco Câmaras Partidas" conta a história de Bil'in, uma aldeia na Cisjordânia, dividida em 2005 por um muro construído pelo governo israelita.

Com o argumento de proteger um povoado das redondezas, o terreno é preparado para a colonização forçada. Mas o agricultor Emad, morador da região, decidiu armar-se de uma câmara e divulgar ao mundo as formas pacíficas de resistência do seu povo
.

"Este é um filme para aqueles que foram martirizados. É maior do que eu e maior do que Bil'in", disse o jornalista palestino Emad Burnat que filmou e realizou o documentário juntamente com o cineasta e ativista israelita Guy Davidi.

"O filme mostra ao mundo todo o que é a ocupação. Mas nem tudo é mau. Ele mostra que há progressos, que há vitórias, e que a nossa causa ainda está viva e avançando", contou o taxista Ahmed Mustafa ao lado da família.

Sábado 16 de março - 21h30 - Travessa da Queimada, 33 (Bairro Alto, Lisboa)

publicado por samizdat, às 22:26link do post | comentar

"Em nenhum outro país, as crianças são julgadas sistematicamente por tribunais militares para menores que, por definição, não fornecem as garantias necessárias ao respeito dos seus direitos". A UNICEF avalia em “cerca de 700 o número de crianças palestinianas entre os 12 e os 17 anos que todos os anos são detidas, interrogadas e encarceradas pelo exército, a polícia e os agentes de segurança israelitas". Os maus-tratos a que estão sujeitas incluem a detenção em sua casa entre a meia-noite e as cinco horas por soldados fortemente armados, o facto de se vendar os olhos das crianças e de lhes atar as mãos, as confissões forçadas, a falta de acesso a advogados ou familiares durante os interrogatórios. A partir dos 14 anos, os detidos - na maioria são rapazes - podem ser condenados até dez anos de prisão pelo crime que lhes é imputado com mais frequência: o lançamento de pedras. A pena pode ir até 20 anos, caso o alvo seja um veículo em movimento. Aparentemente sem pôr em causa a repressão permanente sobre as crianças palestinianas, a UNICEF inclui no seu relatório uma série de recomendações para que as detenções passem a respeitar as normas internacionais: que os menores e suas famílias sejam informados dos motivos da detenção e que essa informação seja feita em árabe; que as detenções a meio da noite sejam limitadas ao "estrito necessário" e que o acesso das crianças a um advogado e à sua família seja facilitado, e exigida a sua presença durante os interrogatórios.

Fonte: Libération, 6.3.2013


mais sobre mim
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO