Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org
12
Dez 14
publicado por samizdat, às 17:01link do post | comentar

Quem falou de racismo e de apartheid em relação a este pequeno Estado moderno, civilizado, democrático, ao qual os nossos dirigentes não podem recusar nada ? A medida que acaba de ser tomada pelo ministério israelita da Agricultura diz respeito aos citadãos de Israel e proibe aos que não são judeus criar frangos, produzir ovos e cultivar batatas!

 

“Esta actividade é um direito exclusivo dos judeus das aldeias cooperativas (moshav)”, acabam de decretar as autoridades israelitas.

 

Os ovos produzidos pelas estruturas palestinianas (“palestinianos de 1948”, aqueles que têm a cidadania israelita) desapareceram do mercado em poucos dias e foram substituídos por ovos israelitas produzidos em cooperativas judaicas construídas sobre as ruinas das aldeias palestinianas destruídas durante a Nakba.

 

As autoridades de Telavive publicaram igualmente um decreto proibindo aos “árabes” de cultivar batatas, cedendo às pressões dos produtores israelitas. As autoridades tinham descoberto que a produção de batatas é barata e uma fonte importante de rendimentos para os palestinianos, sublinha Zouheir Andraos no site em inglês de Al-Akhbar.

 

Nesse mesmo artigo, publicado e traduzido pelo site de ISM France, ele relata que o “ministério israelita do Ambiente também proibiu recentemente aos palestinianos de Israel colher plantas correntemente utilizadas na alimentação dos palestinianos (como o tomilho e a malva), que não são nem conhecidas nem consumidas pelos judeus”. Isso levou o governo israelita a dar instruções às suas pretensas autoridades da Protecção do Ambiente para reprimir “os ladrões de plantas”. O governo anunciou oficialmente que essas plantas eram “espécies protegidas e que os que as colherem serão levados à justiça”.

 

As autoridades da Protecção do Ambiente começaram a aplicar multas aos palestinianos que colhiam “plantas protegidas”. Entretanto, comerciantes judeus que acabavam de descobrir a importância dessas plantas para os palestinianos, pediram as autorizações necessárias ao ministério da Agricultura para as cultivar e vender nos mercados árabes. Os palestinianos do interior tornaram-se o alvo de um comércio israelita lucrativo e popular.

 

No mesmo contexto, as autoridades da ocupação encontraram um outro canal para aumentar o domínio económico sobre os palestinianos: a empresa de cigarros Dubek (a única cigarreira israelita) anunciou que ia deixar de comprar tabaco aos agricultores árabes. O tabaco é uma das principais culturas de comercialização para os palestinianos, em particular na Galileia, dentro da chamada linha verde. Israel terá assim destruído uma das culturas árabes mais importantes na Palestina, e já começou a importar o tabaco do seu aliado turco.

 

Persistindo na sua guerra económica e em colaboração com a Jordânia, Israel fechou recentemente as pequenas oficinas de costura e tricôt na Galileia, no Triângulo e no Negev, a principal fonte de rendimentos para numerosas famílias palestinianas. As autoridades de ocupação têm a intenção de as deslocar para a Jordânia, com o pretexto de que lá a mão-de-obra é barata. Os boatos dizem, no entanto, que o projecto tem por objectivo apoiar a frágil economia jordana, além da determinação dos ocupantes em cortar as fontes de rendimentos dos palestinianos [refugiados] de 1948.

 

A política de domínio económico adoptada por Israel levou ao desemprego de um terço da mão-de-obra no Negev e em Umm al-Fahm. Ela fez aumentar o fosso entre o desemprego palestiniano e israelita, com uma taxa de desemprego de 25% para os palestinianos e de 6,5% para os israelitas. As mesmas estatísticas indicam que a metade das crianças palestinianas nos territórios de 1948 vivem actualmente abaixo do limiar da pobreza”.

 

 

Tradução da versão francesa em: CAPJPO-EuroPalestine, 12.12.2014

Fonte: Al Akhbar.

http://www.ism-france.org//communiques/Israel-resserre-son-etau-sur-les-Palestiniens-de-1948-article-19324

 


11
Dez 14
publicado por samizdat, às 17:31link do post | comentar

Notícias de 30/11 a 6/12/2014

publicadas em: http://grupoaccaopalestina.blogspot.pt/2014/12/noticias-de-3011-612.html

 

Desde 30/11, Na Cisjordânia, perto de Tulkarem - a cerca de 115 km a norte de Jerusalém - soldados dispararam sobre trabalhadores palestinianos. A sul de Jerusalém, a cerca de 35 km sul de Jerusalém, em Beit Ummar - a cerca de 25 km a norte de Hebron - as tropas israelitas entregaram ordens de paragem de construção de casas. Ainda perto de Hebron, os soldados israelitas detiveram 7 palestinianos: em Surif detiveram Ahid Mohammed Othman Abu Fara, Ayman Mohammed Ali Baradeah e Eid Husni Abu Rish; no campo de refugiados de al-Fawwar, detiveram Faris Adil Titi, Yaman Khashan Omar e Ibrahim Yusuf al-Sarahin e em Beit Ummar detiveram Montaser. A cerca de 4km a oeste de Belém,os soldados invadiram a aldeia de al-Khader. A cerca de 70 km a norte de Jerusalém, perto de Nablus, soldados israelitas invadiram Huwarra. A cerca de 6km de Jerusalém, em al-Isawiya, tropas israelitas destroem a casa de Ishaq Mustafa Hamdan. Em Altur, a cerca de 4,5km a norte de Jerusalém, os soldados israelitas detiveram 13 trabalhadores palestinianos. Civis israelitas atacaram um jovem trabalhador palestiniano de 26 anos,  Majdi Majid Najib, numa paragem de auto-carros em Jerusalém sem qualquer intervenção dos guardas de segurança presentes no local. Também dois jovens foram baleados no peito durante. Entretanto, israelitas de extrema direita invadiram a esplanada das mesquitas Aqsa. Relembro que à volta da velha Jerusalém, existem várias portas de entrada, contudo apenas algumas estão abertas ao público (recentemente apenas estavam abertas: a Porta de Jafa e a Porta de Damasco). Começando a Norte: Porta de Heródoto ( Bab ez-Zahra); Porta de Damasco (Bab-el Amoud); Porta Nova (Bab el-Jadid); Porta de Jafa ( Bab el-Khalil); Porta de Sião (Bab en-Nabi Daoud); Porta dos Magrebinos - Marroquinos- (Bab el-Magharbeh), Porta Dourada; Porta dos Leões/Sto Estevão (Bab Sitti-Maryam). Depois para entrar na esplanada das mesquitas, ou Monte do Templo, existem outras portas, nem todas abertas, sendo que as que se encontram abertas estão militarmente controladas: Porta das Tribos; Porta da Escuridão; Porta El- Ghawanima; Porta dos Inspectores; Porta do Ferro; Porta dos Comerciantes de Algodão; Porta da Corrente; Porta dos Mouros; Porta dourada.  Os praticantes da religião muçulmana entram por uma porta diferente das outras pessoas.
Durante o mês de novembro os militares israelitas mataram 9 pessoas e detiveram 650
Fotos do mês de Novembro na Palestina (Fonte: Electronic Intifada)  
LISTA dos mortos em novembro:



Em Gaza, navios militares dispararam contra barcos de pescadores. O governo israelita rejeitou a proposta da Turquia para resolver a questão energética em Gaza. Entretanto, por cúmulo de louca ironia ou completa insanidade e simultaneamente chantagem,  o grupo israelita Shurat HaDin - Israel Law Center fez uma queixa contra o Abbas por crimes de guerra ao TIP (Tribunal Internacional Penal) durante o ataque mortífero de 51 dias cometido a mando do regime sionista em Gaza! A UNICEF alertou para apoio às 425 000 crianças de Gaza, entre as quais pelo menos 3373 ficaram feridas e  1500 órfãs.

 

BDS
A Autoridade Palestiniana proíbe a compra de automóveis israelitas usados. 
A entidade palestiniana de futebol após ter sofrido uma invasão da sua sede em al-Ram, na Cisjordânia,  apela à suspensão da adesão de Israel à FIFA e no domingo 30/11, na Bélgica, decorreu uma acção do grupo Football Against Apartheid ( Vídeo da campanha de sensibilização). Uma vitória do movimento BDS em Rio grande do Sul - Brasil - com o cancelamento do negócio com a empresa militar Elbit Systems. Relembramos que a Elbit forneceu os drones utilizados e testados durante a operação 'margem protectora' que matou mais de 2100 palestinianos de Gaza no decorrer do verão 2014. Lembramos também o apelo para a Campanha de boicote a Hewlett Packard (HP) cúmplice da ocupação ilegal. Por outro lado, a 1/12 deputados fizeram um apelo ao governo britânico para que se tomem sanções concretas contra Israel, entre elas um embargo às armas. APELO  movimento BDS junto da ONU.
 

 

MANIFESTAÇÕES/COMITÉS DE RESISTÊNCIA POPULARES

Quem quiser estar a par das actividades do comité de resistência de Beit Ummar: Center for Freedom and Justice

Quem quiser estar a par das actividades do comité de resistência de Silvan - Jerusalém: Silvanic

Quem quiser estar a par das actividades em Bi'lin, Ni'lin, An Nabi Saleh, etc. consultar ou receber a newsletter de Arnarkismo.net

 

Israel rejects Turkish bid to end Gaza power crisis - See more at: http://www.middleeasteye.net/news/israel-rejects-turkish-bid-end-gaza-power-crisis-375335603#sthash.9K4utFLU.dpuf

Israel rejects Turkish bid to end Gaza power crisis - See more at: http://www.middleeasteye.net/news/israel-rejects-turkish-bid-end-gaza-power-crisis-375335603#sthash.9K4utFLU.dpuf

Israel rejects Turkish bid to end Gaza power crisis - See more at: http://www.middleeasteye.net/news/israel-rejects-turkish-bid-end-gaza-power-crisis-375335603#sthash.9K4utFLU.dpuf

Israel rejects Turkish bid to end Gaza power crisis - See more at: http://www.middleeasteye.net/news/israel-rejects-turkish-bid-end-gaza-power-crisis-375335603#sthash.9K4utFLU.dpuf

FEMINISMOMemórias de uma feminista árabe - A Vida e activismo de Anbara Salam Khalidi (Fonte: Middle East Monitor)


mais sobre mim
Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO