Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org
23
Abr 09
publicado por samizdat, às 10:44link do post | comentar

Aluf Benn é um cronista insuspeito do diário israelita Haaretz, defensor quase incondicional do ataque israelita contra Gaza, mas, ao mesmo tempo, preocupado com a loucura que parece ter-se apoderado dos militares e políticos sionistas.

 

Na edição de hoje do Haaretz on-line em inglês, dois artigos seus reflectem esta preocupação. Num deles, comenta os resultados da "investigação" que o exército conduziu sobre as acusações que lhe eram dirigidas por ter cometido crimes de guerra durante a "Operação Chumbo Derretido".

 

Entre outras, podemos citar as frases seguintes deste atormentado e angustiado paladino da operação:

 

"As cinco investigações detalhadas do IDF [Israel Defense Forces] sobre a Operação Chumbo Derretido reflectem uma obstinada concentração das atenções sobre as árvores e uma recusa a discutir a floresta". (...)

 

"Terá a destruição de casas sido 'proporcional', como as investigações sugerem? É uma questão de interpretação. Alguns dos peritos legais que participaram na investigação pensam outra coisa, e dois oficiais de infantaria com posições-chave durante os combates comentaram: 'Limitámo-nos a arrasar povoações'". (...)

 

"Em Gaza a doutrina era 'risco zero' para as vidas dos soldados, mesmo quando isso significava atingir civis inimigos". (...)

 

Fonte: http://www.haaretz.com/hasen/spages/1080470.html

No outro artigo, Harel discute a campanha do governo da extrema-direita para amalgamar o risco de um Irão nuclear com o Holocausto nazi. Ele põe o dedo na ferida, ao citar a ideia do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de que o problema não é tanto o de um Irão nuclear alguma vez se atrever a bombardear Tel-Aviv (hipótese mais do que remota), mas o de esse Irão se tornar um interlocutor negocial com uma relação de forças indesejada pelo sionismo, até agora habituado, e mal habituado, a impor-se em todas as negociações com a prepotência que lhe confere o monopólio da arma nuclear.

 

Comenta Harel: "Não há dúvida que tal situação seria desagradável, mas nem por isso constituiria uma catástrofe nacional ou um genocídio".

 

Depois, observa que "Netanyahu anda a avisar o mundo: 'Se vocês não actuam, vamos actuar nós'. E o mundo não fica nada excitado". A opinião pública israelita, voltada para o próprio umbigo, pelo contrário, fica excitadíssima e a histeria retórica de Netanyahu "está a bloquear qualquer caminho de recuo, dele e do país, para a confrontação militar".

 

Enfim, Arel sublinha o efeito desmoralizante que a comparação entre o Irão e a Alemanha nazi irá ter sobre as jovens gerações sionistas: "Se o programa nuclear do irão é o combóio para Auschwitz, então o que farão os israelitas e os judeus se falhar uma operação para travar esse programa e se o Irão conseguir a bomba? O que deverão pensar os jovens ao olharem para o futuro. Se a analogia com o Holocausto for aceite como óbvia, a resposta é clara: eles devem procurar refúgio noutro lugar. Muitos dos que se salvaram do Holocausto deixaram a Europa a tempo, antes da conquista nazi, especialmente em direcção aos EUA e a Israel. Se Israel está realmente confrontado com um Holocausto, então Netanyahu devia pedir a Barack Obama vistos de imigração para seis milhões de israelitas, e não apenas uma luz verde para atacar o Irão".

 

Palavras também para serem meditadas, entre nós, pelos e pelas ferrabrazes que em editoriais e crónicas do "Público" apelam todos os dias a uma guerra contra o Irão.

 

Fonte: http://www.haaretz.com/hasen/spages/1080460.html


mais sobre mim
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
17
18

19
24
25

26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO