Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org
10
Jan 08
publicado por samizdat, às 09:28link do post | comentar

A cidade de Jesus tem a sua história própria. Israel rodeou Belém de um muro de betão, confiscando metade do seu território para o colocar do lado israelita do muro, para o engrandecimento futuro dos colonatos em volta. Pergunto-me que diria Jesus se visse a sua cidade transformada em gueto cercado de muros e barreiras.

Em certos sítios, é um muro de betão que chega a uma altura de quase 8 metros, enquanto noutros lados é uma cerca de arame farpado, estradas, trincheiras e câmaras de vigilância. Os palestinianos chamam-lhe “muro do apartheid” e Israel chama-lhe “cerca de segurança”.

O muro interna-se por 22 quilómetros no interior da Cisjordânia e prossegue o seu avanço, cercando e anexando cada vez mais colonatos e territórios palestinianos e provocando à passagem a destruição de muitas comunidades agrícolas palestinianas. Centenas de milhares de oliveiras foram desenraizadas. 35 000 metros de redes de irrigação foram destruídos. Mais de 40 poços foram perdidos em benefício dos israelitas. No trajecto do muro, encontram-se muitas árvores, casas, quintas, e cada uma delas tem uma história a contar.

A história deste muro é longa e dolorosa, em particular para a cidade mais devastada pelo muro, Jerusalém e a sua cidade gémea, Belém. Quando estiver terminado, em Jerusalém dezenas de milhares de palestinianos estarão cortados da sua cidade e dos seus meios de subsistência. Assim Israel terá conseguido modificar as características demográficas de Jerusalém.

Oprimir as pessoas, tomar-lhes as terras e privá-las da sua dignidade nunca trará segurança a ninguém. Se eu só tivesse uma coisa a dizer aos nossos vizinhos e ao povo judeu seria “Por favor, voltem à razão, pensem na justiça.” A justiça não é um conceito estranho aos judeus ou ao judaísmo. “Libertem o meu povo”.

O muro serpenteia ao sul de Belém, cercando e anexando um imenso bloco de colonatos Kush Etion e outros colonatos disseminados ao longo da linha verde na fronteira. Quando o muro estiver acabado, Israel terá anexado mais de 20 por cento dos seus colonos e colonatos no seu próprio território. Desde 1947, ano após ano, os palestinianos viveram na dor, na partição, na ocupação e anexação do seu território e país.

O sonho de liberdade e de um Estado seu está cada vez mais comprometido. Os colonatos e os que os conceberam confiscando os territórios espezinham, ano após ano, dia após dia, os direitos humanos de milhões de palestinianos. Os colonatos destroem o próprio princípio que presidia ao processo de paz – trocas de territórios pela paz – e transformou-o em confiscação de territórios... sem a paz.

 

Adaptado do filme "O Muro de ferro"


mais sobre mim
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
15
17
19

20
25
26

27
28


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO