Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org
21
Nov 11
publicado por samizdat, às 21:07link do post | comentar

 

 

No dia 29 de Outubro, o CSP enviou a seguinte carta à Universidade de Coimbra, de que ainda hoje não obteve resposta:
 
Exmos. Senhores
Dr. João Gabriel Silva, reitor da Universidade
Dr. Joaquim Pires Valentim, responsável do projecto
Direcção da Faculdade de Psicologia


Tomamos a liberdade de vos escrever a respeito da cooperação actualmente em curso entre a Universidade de Coimbra e a International Security and Counter-Terrorism Academy (ISCA), no âmbito do projecto Scientific Approach to Fighting Radical Extremism (SAFIRE).

Gostaríamos, em primeiro lugar, de chamar a vossa atenção para o facto de a ocupação de territórios palestinianos ser ilegal e formalmente condenada pela comunidade internacional em todos os seus organismos de relevo, nomeadamente a ONU, a OIT e a União Europeia. A construção do muro que tem acompanhado a ocupação de cada vez mais território palestiniano separa as populações dos seus locais de trabalho, das suas terras, das suas escolas. Em Abu Dis, por exemplo, o muro passa pelo meio do campus da universidade e atravessa o campo de futebol. Os estudantes universitários muitas vezes não conseguem chegar às suas universidades, o que acontece frequentemente em Birzeit. Estudantes árabes israelitas não podem apresentar teses relacionadas com a Naqba. E poderíamos aqui referir muitos mais exemplos da opressão sob a qual se vive diariamente na Palestina ocupada.

No entanto, a qualquer acto de resistência do lado palestiniano, Israel responde com mais violência. Até mesmo a comemoração da Naqba sob forma de peregrinação aos locais de 540 aldeias destruídas após 1948 é punida com três anos de prisão. Às crianças e jovens que atiram pedras aos tanques israelitas, Israel responde com actos de verdadeiro terrorismo. A população civil de Gaza é todos os dias bombardeada pelo exército israelita.

A condenação generalizada da ocupação e dos seus crimes - como foram os cometidos durante a ofensiva contra a Faixa de Gaza que provocou 1400 mortos civis, ou no ataque em águas palestinianas ao navio Marvi Marmara durante o qual o exército israelita executou nove passageiros - estende-se igualmente à cooperação com qualquer tipo de instituições estreitamente ligadas ao Estado de Israel, como é o caso da ISCA. Com efeito, uma tal cooperação constitui um acto de cumplicidade com apoiantes activos e beneficiários da ocupação colonial da Palestina.
Gostaríamos igualmente de recordar-vos que existe desde 2005 uma campanha internacional de boicote e desinvestimento contra Israel, semelhante àquela que ajudou a derrotar o regime de apartheid na África do Sul. Com vista a isolar internacionalmente o Estado pária de Israel, empresas, bancos, municipalidades, artistas de todo o mundo têm sido sensíveis a esta campanha, adoptando medidas de boicote, sanções e desinvestimento em relação a organizações israelitas coniventes com a ocupação. No domínio académico, para citar apenas um exemplo, o caso mais recente foi o da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, que cortou todas as suas ligações com a Universidade israelita Ben Gourion.

Se a cooperação com instituições oficiais israelitas no âmbito universitário é já de si condenável e merecedora de boicote, a cooperação com uma academia especializada em “anti-terrorismo”, como a ISCA, consiste em dar a mão ao próprio aparelho repressivo sionista. Esta “academia” situa-se no coração da história mais sanguinária de Israel e procura branquear a sua imagem cooperando com uma academia portuguesa que em 1969 sofreu os rigores da repressão fascista.

Também em Portugal, o Comité de Solidariedade com a Palestina, juntamente com outras organizações está empenhado na campanha de BDS – Boicote, desinvestimento e sanções -, cuja última vitória foi a desistência do Festival de cinema Queer Lisboa em aceitar o habitual apoio da embaixada de Israel.

O Comité de Solidariedade com a Palestina vem portanto solicitar-vos que reconsiderem a cooperação com a ISCA, sob pena de colocarem a Universidade de Coimbra numa posição de cúmplice com um regime de apartheid, de limpeza étnica e de genocídio cometido contra homens, mulheres e crianças palestinianas. A Universidade de Coimbra tornar-se-ia, nesse caso, um alvo legítimo para a campanha internacional em curso contra o apartheid israelita e seus cúmplices. Aguardaremos a vossa resposta num prazo razoável antes de tomar qualquer decisão ou defender alguma posição pública. Agradecíamos, portanto, a gentileza de nos responder até ao próximo dia 7 de Novembro.

Com os nossos cumprimentos,

Comité de Solidariedade com a Palestina      


 


este caso teve algum desenvolvimento?
cumprimentos
Ana Varzim a 23 de Fevereiro de 2012 às 00:01

Este caso está em curso. Já houve conversa com o professor responsável do projecto e vai haver debates à volta do tema na universidade de Coimbra.
samizdat a 21 de Março de 2012 às 23:34

mais sobre mim
Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO