Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org
02
Abr 12
publicado por samizdat, às 14:56link do post | comentar

Desde a sua célula de uma prisão israelita, uma das figuras mais respeitadas da política palestiniana chamou no dia 26 a uma nova vaga de resistência civil na sua luta de há décadas pela independência.

 

“O lançamento de uma vasta resistência popular hoje serve a causa do nosso povo”, declarou Barghouti num comunicado que marcou o 10º ano da sua encarceração por Israel. “Parem de vender a ilusão de que existe uma possibilidade de pôr fim à ocupação e de construir um Estado por meio de negociações, depois de esta visão ter lamentavelmente fracassado”, disse ele numa mensagem lida perante uma multidão de apoiantes seus na cidade de Ramallah na Cisjordânia.

 

Apesar das suas múltiplas condenações a prisão perpétua, sob a acusação de ter organizado ataques mortíferos e atentados suicidas, Barghouti é considerado como um sucessor potencial do ex-presidente Mahmoud Abbas, que é também o chefe da Fatah. A sua liderança e o seu carisma foram considerados como uma força motriz na última Intifada contra a ocupação israelita, lançada no final de 2000.

 

As suas opiniões continuam a ter um impacto profundo na opinião pública palestiniana e ele goza de um vasto apoio entre todas as organizações palestinianas. Muitas pessoas consideram que Israel poderá, em algum momento, decidir libertar Barghouti.

 

O apelo à acção intervém num período muito explosivo na Cisjordânia ocupada por Israel desde a guerra de 1967 : o marasmo económico, uma diplomacia desfeita e o descontentamento popular claramente perceptível não auguram nada de bom para mobilizações pacíficas.

[…] As greves da fome de presos palestinianos detidos em Israel também são um sinal da ira popular.

 

Na sua alocução, Barghouti apelou a que “se pare imediatamente todas as formas de coordenação securitárias e económicas (com Israel) em todos os domínios”, coordenações que duram entre Israel e a Autoridade Palestiniana [de Ramallah], com altos e baixos, desde há anos.

 

A direcção palestiniana da Cisjordânia, ao mesmo tempo que dá um apoio verbal às manifestações e que procura o reconhecimento em vários órgãos das Nações Unidas, tudo fez até agora para evitar um confronto político [com o ocupante israelita].

 

Depois de o governo de Abbas ter conseguido uma pequena vitória ao persuadir o Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra a investigar a política de colonização de Israel, Barghouti defendeu medidas mais draconianas.

 

Também apelou a uma « renovação dos esforços » para se chegar ao reconhecimento de um Estado palestiniano no Conselho de Segurança, uma iniciativa que fracassou no ano passado, quando Washington apoiou a posição israelita, rejeitando a resolução como um meio de contornar as negociações.

 

Barghouti declarou que os palestinianos deveriam em alternativa, submeter a sua reivindicação de um Estado à Assembleia Geral ou perante outros organismos, aludindo a fóruns nos quais os palestinianos dispõem de um apoio maior.

 

Fonte : http://www.maannews.net/eng/ViewDet...
Tradução adaptada de CAPJPO-EuroPalestine 30.3.12


mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO