Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

Tariq Ali: Por que não vou participar na Feira do Livro de Turim

Anunciámos em Dezembro último a recusa do poeta Aharon Shabtai a participar no próximo Salão do Livro, que vai realizar-se em Paris de 14 a 19 de Março próximos, e que escolheu Israel como "convidado de honra", por ocasião do "60ª aniversário da sua existência". Esta operação de propaganda a favor dum país que multiplica os seus crimes de guerra, que condena todo um povo à fome e que o martiriza desde há décadas, suscita uma emoção aparentemente mais forte em Itália, em que a mesma operação está programada para a Primavera em Turim. O boicote organiza-se e várias personalidades de renome internacional explicam a sua necessidade. Segue-se a posição do escritor britânico Tariq Ali.

Por que não vou participar na Feira do Livro de Turim

Por Tariq Ali 

Quando dei o meu acordo para participar na Feira do Livro de Turim, coisa que já tinha feito no passado, não imaginava que o "convidado de honra" seria Israel no seu 60º aniversário. Mas esse é também o 60º aniversário daquilo que os palestinianos designam como a « Nakba », a catástrofe, que lhes caiu em cima quando foram expulsos das suas aldeias, muitos deles foram mortos e muitas mulheres foram violadas por colonos. Tudo factos que já ninguém se atreve a contestar.

Por que é que a Feira do Livro de Turim não convida 30 escritores israelitas e 30 escritores palestinianos - ( e garanto-vos que eles existem e que são grandes poetas e grandes romancistas) ? Isso seria compreendido como um gesto positivo e pacífico, e aí poderia ter lugar um debate positivo, um pouco como uma versão literária do « Diwan » (a orquestra) de Daniel Barenboim, meio israelita, meio palestiniano.

Um gesto deste tipo teria reaproximado os povos. Mas não, os comissários culturais acham são mais espertos. Sucedeu-me noutras ocasiões discutir duramente com escritores israelitas que visitavam a feira e tê-lo-ia feito mais uma vez com prazer se as condições fossem outras.

O que decidiram fazer é uma infame provocação.

Nota-se que a cultura está cada vez mais ligadaa às prioridades políticas da rede Estados Unidos/União Europeia. O ocidente está cego aos sofrimentos dos palestinianos. A guerra israelita contra o Líbano, os relatos que chegam diaraimente do ghetto de Gaza, não comovem a Europa dos funcionários. Em França, como sabemos, é praticamente impossível criticar Israel. Na Alemanha também, por razões especiais. Seria uma tristeza que a Itália tomasse o mesmo caminho. Quantas vezes já sublinhámos que nada tem de anti-semita criticar a política colonial de Israel!

Aceitá-lo significaria tornarno-nos vítimas voluntárias da chantagem que o establishment israelita utiliza para reduzir ao silêncio os seus críticos. Há corajosos críticos israelitas como Aharon Shabtai, Amira Hass, Yitzhak Laor e outros, que não permitirão que as suas vozes sejam silenciadas desse modo. Shabtai recusou assistir a esta Feira.

Como poderia eu porceder doutro modo?

Uma coisa é apoiar o direito de Israel a existir, coisa que faço e sempre fiz. Mas daí a extrapolar que este direito à existência equivalha a um cheque em branco para Israel fazer o que quer aos que pretende expulsar e que trata como sub-humanos, isso é inaceitável.

Pessoalmente sou a favor de um só Estado Israel/Palestina em que todos os cidadãos sejam iguais. Dir-me-ão que se trata duma utopia Talvez, mas a longo prazo é a única solução. Devido aos temas dos meus romances, perguntaram-me muitas vezes (e mais recentemente em Madison, no Wisconsin) se seria possível recriar a época melhor, a de Al-Andalus e Sicília (NdT : (Al-Andalus : o conjunto das terras da Península Ibérica sob dominação muçulmana na Idade Média) quando três culturas coexistiram longamente. A minha resposta é sempre a mesma: o único lugar em que seria possível recriá-lo seria  Israel/Palestina.

Vivemos no mundo dos dois pesos e duas medidas, mas não somos obrigados a aceitá-lo. Vemos por vezes casos de indivíduos ou de grupos a quem foi feito mal e que por sua vez o fazem a outros. Mas isto não justifica aquilo. Foi o anti-semitismo europeu que tolerou o judeocídio na Segunda Guerra Mundial e agora foram os palestinianos que se tornaram vítimas dele. Alguns israelitas são conscientes disso, mas preferem pensar noutra coisa. Muitos europeus encaram hoje os palestinianos e os muçulmanos como se encarava os judeus no passado. Ironia visível nos comentários da imprensa e nas reportagens da televisão. Em praticamente todos os países europeus. Que pena que a Feira do Livro de Turim tenha decidido apoiar os novos preconceitos que assolam o continente! Esperemos que este exemplo não seja seguido em mais lugar algum.

Fonte: http://www.counterpunch.org/tariq02052008.html

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D