Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

Sim, é apartheid

Por Yossi Sarid

O ex-presidente dos EUA, Jimmy Carter (esq.) considera o primeiro-ministro israelita, Ehud Olmert (dir.), o dirigente dum regime de apartheid

(…) O que é que ele [Jimmy Carter] quer de nós, esse velhaco? O que temos nós a ver com o apartheid? Uma barreira de separação é alguma vez separação? As estradas separadas para colonos judeus e para palestinianos alguma vez separam? Os enclaves palestinianos entre colonatos judeus são alguma vez bantustões?

Não há ponta de semelhança entre a África do Sul e Israel e só uma mente doentia poderia estabelecer essas sombrias ligações entre ambos. Barreiras nas estradas e inspecções a cada esquina; autorizações exigidas para o assunto mais insignificante; confisco arbitrário da terra; privilégios especiais para o uso da água; trabalho barato e pesado; criar e unir famílias por laços burocráticos – nada disto é apartheid, de qualquer modo. Tudo é uma necessidade securitário indiscutível.

Também os brancos Afrikaners tinham razões para a sua política de segregação, também eles se sentiam ameaçados – tinham o mal à porta e estavam assustados, a querer defender-se. Infelizmente, contudo, todas as boas razões para o apartheid são más razões; o apartheid tem sempre uma razão e nunca tem uma justificação. E aquilo que se comporta como apartheid, que funciona como apartheid, que reprime como apartheid, não é um pato – é apartheid. E tão-pouco resolve o problema do medo: hoje toda a gente sabe que qualquer regime de apartheid chegará ao seu fim ignominioso.

Uma diferença essencial permanece entre a África do Sul e Israel: lá, uma pequena minoria dominava uma larga maioria; aqui há quase um equilíbrio. Mas a ruptura do equilíbrio já começa a desenhar-se no horizonte. Nesse momento, o projecto sionista chegará ao fim, se não decidirmos deixar a casa dos escravos antes de sermos atingidos por uma praga demográfica fatal.

É inteiramente claro porquê a palavra apartheid nos aterroriza. O que devia aterrorizar-nos, contudo, não é a descrição da realidade, e sim a própria realidade. Mesmo Ehud Olmert compreendeu finalmente que manter a actual situação significa o fim do Estado judeu democrático, como ele disse recentemente (…) 

Fonte: www.haaretz.com, 26.04.08

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D