Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

RESPOSTA A NUNO PACHECO

A versão integral da resposta ao editorial de Nuno Pacheco, elaborada para envio ao Público, foi cortada por nós próprios, para evitar que os cortes fossem deixados ao critério do jornal. Ela aqui fica, portanto, confiando nós em que a versão mais curta seja dada à estampa no Público dentro dos próximos dias.


No seu editorial "O absurdo boicote pedido a Cohen contra Israel" (31.Jul.2009), Nuno Pacheco põe em dúvida a eficácia de um boicote como forma de isolar Israel internacionalmente. Pacheco começa por descrever como "absurda" a escolha de Leonard Cohen como alvo do pedido de boicote a Israel por este ser de origem judaica (budista de religião). Convém dizer que o primeiro apelo a Cohen foi feito por um grupo de judeus no Reino Unido, pedido esse que seria reforçado mais tarde por israelitas e palestinianos contrários à política de apartheid israelita. Esta campanha adopta princípios universalistas, reflectindo a pluralidade dos seus apoiantes. 

Leonard Cohen não foi o primeiro, nem será o último artista ao qual o Comité de Solidariedade com a Palestina pedirá que não branqueie os crimes israelitas - uma campanha que  já conta com apoio de figuras ilustres como o veterano activista anti-apartheid Desmond Tutu, o presidente da assembleia geral da ONU, Miguel d'Escoto Brockman e Roger Waters, dos Pink Floyd, entre outros. O boicote cultural é somente uma vertente numa esforço amplo que pretende isolar Israel internacionalmente. Há décadas que os governos ocidentais têm protegido Israel de qualquer responsabilização pelos crimes que comete contra os palestinianos. Israel vive à margem do direito internacional, violando mais resoluções da ONU que qualquer outro país. Quando os nossos governos aceitam tal impunidade, tal como colaboraram anteriormente com o apartheid sul-africano, a responsabilidade recai sobre nós, cidadãos comuns. 

O movimento global de boicote, desinvestimento e sanções (BDS) contra Israel já celebrou algumas vitórias. Por exemplo, em Janeiro passado o sindicato de estivadores sul africano recusou-se a carregar ou descarregar navios israelitas. No Reino Unido, centenas de académicos votaram para aderir a um boicote a instituições académicas israelitas, cúmplices da ocupação. Mais, na França e nos Estados Unidos há campanhas em curso de boicote a produtos israelitas, especialmente aqueles que são provenientes de colonatos. Alguns fundos de investimento retiraram o seu capital de companhias que colaboram com a indústria israelita da ocupação, como é o caso da Igreja Anglicana britânica.

É absurdo o raciocínio de Pacheco quando este diz que um concerto de Paul Simon na África do Sul em 1992, com o sistema de apartheid ainda vigente mas quase derrotado, ajudou mais do que a própria campanha internacional realizada durante mais de duas decadas e ouvida por milhões de pessoas em todo o mundo. O apelo de Marlon Brandon por exemplo, para que os seus colegas não se deslocassem à África do Sul, enviou a mensagem de que o racismo não pode ser normalizado. A este tipo de acção juntaram-se acções mais concretas como cortes de relações económicas e sanções. No seu conjunto, estas acções ajudaram a derrotar o apartheid e provaram que solidariedade com os oprimidos, em alguns casos, é mais eficaz com actos deste tipo.

No que diz respeito ao exemplo de Pacheco sobre Portugal, a sua lógica falha outra vez. Não houve um boicote internacional de artistas contra o fascismo português, e por isso não podem ser criticados artistas como Chico Buarque, que sempre cá vieram em atitude solidária com a resistência anti-fascista. Sabe-se que o fascismo português caíu sem essa campanha, mas não se pode afirmar que a campanha teria sido inútil. O facto é que a campanha não exisitu e não tivemos a oportunidade de testemunhar os seus efeitos. No caso da África do Sul, onde a campanha existiu, ela ajudou a acabar com o apartheid.

Portugal juntou-se finalmente ao movimento global de boicote, desinvestimento e sanções (BDS) contra Israel que começou em 2005 depois de um apelo feito por uma parte importante da sociedade civil palestiniana.  A campanha de agora em diante só vai crescer a nível global, nomeadamente agora que Israel tem o governo fascista de Netanyahu-Liebermann a defender abertamente a limpeza étnica de palestinianos. A equipa de futebol israelita Bnei Yehuda joga em Portugal no dia 6 de Agosto contra o Paços de Ferreira. Lá estaremos outra vez como parte da campanha "Kick Apartheid Out of Football". Acções de solidariedade não-violentas como estas devem sem encorajadas. Não esperemos resultados imediatos: a campanha sul-africana requereu persistência. Leonard Cohen pode não ter cancelado o concerto em Israel, mas a história será o melhor juíz nestes casos.

Ziyaad Lunat

Comité de Solidariedade com a Palestina

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D