Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

O "direito à autodefesa", uma tremenda vitória da propaganda israelita

Um artigo da jornalista Amira Hass publicado no diário israelita Haaretz. Amira Hass é filha de dois sobreviventes do Holocausto que, ao chegarem a Israel, se recusaram a viver em casa roubadas a palestinianos, entretanto expulsos da sua terra.


 

Com o apoio à ofensiva de Israel em Gaza, os líderes ocidentais deram carta branca aos israelitas para eles fazerem o que melhor sabem fazer: rebolar-se na sua vitimização e ignorar o sofrimento palestiniano.

 

Uma das tremendas vitórias da propaganda de Israel é a de o terem aceitado como vítima dos palestinianos, tanto na opinião pública israelita com na dos líderes ocidentais que se apressam em falar do direito de Israel a defender-se. A propaganda é tão eficaz que só os mísseis artesanais palestinianos no sul de Israel, e agora em Telavive, contam na ronda das hostilidades. Os mísseis artesanais, ou os danos no que é mais sagrado – um jipe militar – estão sempre como ponto de partida, e junto à aterradora sirene, como tirada de um filme da Segunda Guerra Mundial, constroem a meta-narrativa da vítima que tem o direito a defender-se.

 

Todos os dias, de facto em cada momento, esta meta-narrativa permite a Israel acrescentar outro elo à cadeia de expropriação de uma nação tão antiga como o próprio Estado, enquanto ao mesmo tempo se oculta o facto de que um fio condutor se estende desde 1948, quando negaram aos refugiados palestinianos o regresso aos seus lares, a expulsão actual dos beduínos do deserto do Negev no início dos anos 1950, a expulsão actual dos beduínos do vale do Jordão, fazendas para os judeus no Negev, a discriminação nos orçamentos de Israel e os disparos contra os pescadores de Gaza para evitar que ganhem a vida de forma respeitável. Milhões destes fios contínuos podem ligar-se desde 1948 até ao presente. Este é o tecido da vida da nação palestiniana, tão isolada como está na solidão das suas diversas fronteiras. Assim é o tecido da vida dos cidadãos palestinianos de Israel e dos que vivem das suas terras de exílio.

 

Mas estes fios não são toda a trama da vida. A resistência aos fios que nós, israelitas, fazemos girar indefinidamente, também é parte da vida dos palestinianos. O significado da palavra resistência degradou-se para lhe dar o sentido de uma competência muito masculina, na qual os mísseis alvejarão zonas muito afastadas (uma competência entre as organizações palestinianas, e entre eles próprios e o exército israelita regular). Isto não invalida o facto de que, na essência, a resistência à injustiça inerente ao domínio israelita é uma parte inseparável da vida quotidiana dos palestinianos.

 

Os ministérios do Exterior e do Desenvolvimento no ocidente e nos Estados Unidos colaboram com maldade na representação enganadora de Israel como vítima, seja porque em cada semana se recebem relatos dos seus representantes na Margem Ocidental e na Faixa de Gaza sobre mais um elo que se juntou à cadeia de expropriação e opressão que Israel impõe, ou porque os seus próprios contribuintes “põem dinheiro para alguns dos desastres humanitários, grandes e pequenos, infligidos por Israel”.

 

Em 8 de Novembro, dois dias antes do ataque ao mais santo dos santos – os soldados de um exército num jipe – esses contribuintes poderiam ter lido que os soldados israelitas tinham matado Ahmad Abu Daqqa, de 13 anos, que estava a jogar futebol com os seus amigos na aldeia de Abassan, a leste de Khan Yunis. Os soldados estavam a 1,5 quilómetro das crianças, dentro da zona da Faixa de Gaza, ocupados a “expor” (palavra para branquear outra, destruir) as terras agrícolas. Então, por que não começar a contar a escalada de agressão com a morte da criança? Em 10 de Novembro, depois do ataque ao jipe, o exército israelita matou outros quatro civis de 16 e 19 anos.

 

Rebolar-se na ignorância

 

Os líderes de ocidente podiam saber que  antes do treino do exército de Israel na semana passada, dezenas de famílias beduínas do vale do Jordão foram obrigadas e evacuar os seus lares. Como é curioso que os treinos do exército israelita sempre tenham de fazer-se nos lugares onde vivem os beduínos e não onde estão os colonos israelitas, e que isso constitua uma razão para os expulsar! Outra razão. Outra expulsão. Os líderes ocidentais também poderiam ter sabido, baseando-se no artigo a cores em papel cromo ao qual se referem as finanças dos seus países, que desde o início de 2012, Israel destruiu 569 edifícios e estruturas palestinianas, incluindo poços de água e 178 casas. No total, 1014 pessoas viram-se afectadas pelas demolições.

 

Não ouvimos as massas de Telavive nem os residentes das zonas do sul avisar os administradores do Estado sobre as implicações desta destruição sobre a população civil. Os israelitas rebolam-se alegremente na sua ignorância. Esta informação e a de outros factos semelhantes estão disponíveis e acessíveis a qualquer pessoa realmente interessada. Mas os israelitas optam por não saber. Esta ignorância voluntária é uma pedra angular da construção do sentimento de vitimização de Israel. Mas a ignorância é ignorância: o facto de que os israelitas não querem saber o que estão a fazer como potência ocupante não nega os seus actos nem a resistência palestiniana.

 

Em 1993, os palestinianos deram a Israel um presente, uma oportunidade dourada para cortar a trama dos fios que atam 1948 ao presente, de abandonar as características do país de pilhagem colonial, e juntos planear um futuro diferente para os dois povos da região. A geração palestiniana que aceitou os Acordos de Oslo (cheios de trampas introduzidas por advogados israelitas inteligentes) é a geração que conheceu uma multifacetada, até normal, sociedade israelita que permitiu a ocupação de 1967 (com o fim de conseguir mão-de-obra barata) com uma liberdade de movimentos quase completa. Os palestinianos chegaram a um acordo sobre a base das suas reivindicações mínimas. Um dos pilares destas exigências mínimas definia a Faixa de Gaza e a Cisjordânia como uma entidade territorial única.

 

Mas, uma vez iniciada a aplicação de Oslo, sistematicamente Israel fez todo o possível para que a Faixa de Gaza se convertesse numa entidade independente, desligada, no quadro da insistência de Israel em manter e ampliar a trama de 1948. Desde o surgimento do Hamas, fez todo o possível para apoiar a versão que o Hamas prefere: que a Faixa de Gaza é uma entidade política separada onde não há ocupação. Se isto é assim, por que não ver as coisas da seguinte maneira: como entidade política independente, qualquer incursão no território de Gaza é uma violação da sua soberania e Israel faz isso constantemente. Por acaso o governo do Estado de Gaza não tem o direito de responder, devolver, ou pelo menos o direito masculino – um gémeo do direito masculino do exército israelita – de assustar os israelitas como eles fazem com os palestinianos?

 

Mas Gaza não é um Estado. Gaza está sob a ocupação israelita, apesar de todas as acrobacias verbais tanto do Hamas como de Israel. Os palestinianos que vivem lá são parte de um povo cujo ADN contém a resistência à opressão.

 

Na Cisjordânia, os activistas palestinianos tentam desenvolver um tipo de resistência diferente da resistência armada masculina. Mas o exército israelita destrói toda a resistência popular com zelo e determinação. Não temos ouvido falar dos resistentes de Telavive e das zonas do sul queixarem-se da simetria de dissuasão que o exército israelita está a construir contra a população civil palestiniana.

 

E assim mais uma vez Israel oferece mais razões a mais jovens palestinianos, para os quais Israel é uma sociedade anormal de exércitos e colonos, para concluir que a única resistência racional é o sangue derramado e o contraterrorismo. E assim todos os escalões da opressão israelita e toda a ignorância da existência da opressão israelita nos arrasta pela encosta abaixo da ladeira da competência masculina.

 

 

Fonte original: http://www.haaretz.com/news/features/israel-s-right-to-self-defense-a-tremendous-propaganda-victory.premium-1.478913


Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D