Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

Carta aberta ao director do Público

A respeito da reportagem de Alexandra Prado Coelho no Fugas

 

Após a publicação da reportagem assinada por Alexandra Prado Coelho nosuplemento Fugas, intitulada “Terra do leite e do mel ou do húmus e falafel”, o Comité de Solidariedade com a Palestina não pode deixar de vir manifestar a sua indignação perante o facto de um jornal de referência como é o Público se colocar ao serviço de um governo, aceitando um patrocínio para divulgar a sua propaganda.
 
Se alguém tivesse dúvidas sobre o carácter propagandístico da reportagem, elas logo seriam dissipadas com a leitura da última frase do artigo principal: “A Fugas viajou a convite do Ministério do Turismo de Israel”. Esta situação, aliás, não é nova no Público; já em Agosto de 2006, José Manuel Fernandes, director do jornal na altura, viajou a convite do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel, para voltar da sua viagem publicando vários artigos de flagrante apoio à política de Israel.
 
É sabido, público e assumido pelo governo israelita, que este consagra grande parte do seu orçamento e dos seus recursos humanos a um esforço diplomático para combater a má imagem que tem no mundo. O branqueamento da sua política de limpeza étnica e dos seus crimes de guerra, constantemente condenados pelas Nações Unidas, passa também por pagar viagens a jornalistas.
 
Conhecendo a origem da reportagem de Alexandra Prado Coelho, não é de admirar que a autora fale com a maior das naturalidades da existência dos colonatos ilegais, chegando a fazer publicidade à Adega dos Montes Golã e a outros produtos deste território considerado nas instâncias internacionais como ilegalmente anexado por Israel, mas para o qual a jornalista utiliza uma expressão exclusivamente israelita, a de“território disputado”.
 
Assim como não é de admirar a sua despreocupação com a ignorância histórica e cultural, uma vez que, aqui, o seu papel não é o de pesquisar, informar-se e informar os leitores do jornal, mas apenas o de transmitir a mensagem do Estado anfitrião e financiador.
 
Queremos dar apenas alguns exemplos do que acabámos de afirmar e que nos indigna:
 
O que Alexandra P. Coelho nos apresenta como comida israelita, o húmus, msabbaha, freekeh ou foul, são na realidade comidas palestinianas. O nome árabe desses pratos, assim como dos temperos referidos, daria uma pista a qualquer jornalista crítico e independente.
 
Esta apropriação culinária, e cultural de uma forma geral, é parte do colonialismo israelita. Ela vai de par com a expropriação das terras e da água e serve o mesmo objectivo de construção de um Estado expurgado de palestinianos sobre todo o território da Palestina.
 
Também a tentativa da autora de separar "árabes" de "cristãos" quando fala de Nazaré, mostra não só a sua ignorância como a força da propaganda israelita que, desde 1948, tudo tenta para separar palestinianos árabes cristãos – ou ateus – dos palestinianos árabes muçulmanos. Ela não sabe que os palestinianos cristãos também são árabes?
 
Alexandra P. Coelho fala de "Tiberíades", na Galileia, como sendo uma cidade "sem população árabe", esquecendo-se de mencionar que, em 1948, os israelitas invadiram esta cidade maioritariamente árabe e expulsaram dela toda a população, hoje refugiada no Líbano e a quem se recusa o direito de retorno para manter Israel "maioritariamente judeu".
 
Não consideramos que seja aceitável, do ponto de vista ético e profissional, os jornalistas aceitarem financiamento de partes interessadas. O aviso aos leitores de que a jornalista foi convidada pelo governo israelita não é uma garantia de honestidade, como se vê pelo conteúdo da reportagem.
 
Agradecemos a sua atenção e, desde já, um comentário seu à nossa carta.
 
Com os melhores cumprimentos.
O Comité de Solidariedade com a Palestina

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D