Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

Israel: general israelita compara o ambiente em Israel ao da Alemanha dos anos 30

Le        chef d'état-major adjoint de Tsahal, Yaïr Golan, est sur la        sellette après ses propos sur la société israélienne. ©        NEWSCOM/SIPA

 

[…]

 

Racismo e insubordinação dos soldados

 

Foi no passado mês de fevereiro que começou esta ofensiva da direita contra os responsáveis militares. O chefe do Estado-Maior, general Eizenkot, tinha então explicado a alunos do secundário: “Não podemos agir segundo slogans do tipo: Se alguém quer matá-lo, mate-o primeiro. Eu não quero que um soldado descarregue a sua metralhadora sobre uma rapariga de treze anos que o ameaça com uma tesoura”. Vários deputados e ministros reagiram vivamente, qualificando as palavras de Eizenkot de verdadeira “heresia”. “Um militar ameaçado, diziam alguns, deve poder atirar sem hesitar sobre o seu agressor”. As coisas agravaram-se ainda mais com o caso do soldado de Hebron que, no dia 24 de março, executou um assaltante palestiniano, estendido no chão depois de ter ferido um militar com uma faca. A decisão de deter o soldado e de o levar a um tribunal de guerra foi condenada por uma vasta maioria da opinião pública israelita.

Para o professor Yagil Levy, especialista em sociologia política, o chefe do Estado-maior e o seu adjunto decidiram reagir perante o estado de espírito que infiltra cada vez mais o exército, e “que faz com que as regras sobre a abertura de fogo não sejam respeitadas; que haja fenómenos de recusa, ou mesmo de insubordinação entre os soldados. Constata-se manifestações de racismo nas redes sociais em que participam os soldados. Por fim, há as críticas contra o exército que se expressam no seio mesmo das suas fileiras. Isso ocorre sobretudo nas unidades que operam na Cisjordânia juntamente com os colonos e onde se observa um nacionalismo particularmente forte. Tudo isso preocupa portanto o alto comando”. Na opinião de Yagil Levy, é esse estado das coisas que levou o chefe do Estado-Maior adjunto, o general Golan, a expressar-se, criticando não o exército mas a própria sociedade.



O perigo de ver o Tsahal [exército israelita] transformar-se em milícia

 

De facto, Or Heller, especialista dos assuntos militares da cadeia israelita 10, constata que “o fosso aumenta cada vez mais entre o público e o alto comando do exército. Até aqui, o Tsahal era a instituição mais popular no país. Hoje, o risco é o seguinte: o de que os soldados obedeçam a uma outra autoridade que não a dos chefes militares... A que provém dos websites, das redes sociais ou de homens políticos”. Moshé Yaalon, o ministro da Defesa, que apoia os seus generais a todo o custo perante o governo, considera que, nestas condições, há um perigo: o de ver o Tsahal transformar-se numa milícia...

Por agora, no plano político, a controversa está longe de se alargar. Yossi Verter, o editorialista do diário de esquerda Haaretz, escreve na segunda-feira de manhã: “Quando um general não canta ao ritmo da propaganda governamental, ele é suspeito de ser uma toupeira e constitui um alvo a abater. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahou não hesita em desfazer-se do que lhe resta da sua estatura de homem de Estado para dar o golpe de misericórdia ao chefe do Estado-maior adjunto”. Não é só isso, a mãe do general interveio no debate, tomando a defesa do filho. Ela recorda que o seu marido, pai de Yair, é um judeu alemão que escapou à Gestapo. “Então não podemos acusá-la de prejudicar a Shoah, como afirma o primeiro-ministro”. A senhora indignada justifica todos os propósitos do filho. Um ambiente longe de estar amenizado, a poucas 48 horas do Dia da Lembrança para os soldados e civis caídos nas guerras de Israel.



Traduzido do artigo de Le Point, de 9 de maio de 2016:

http://www.france-palestine.org/Israel-des-generaux-de-Tsahal-se-mettent-le-pays-a-doshttp://www.france-palestine.org/Israel-des-generaux-de-Tsahal-se-mettent-le-pays-a-dos

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D