Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

SOLIDARIEDADE COM A PALESTINA

Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org

Israel proibe aos não-judeus criar frangos e cultivar batatas

Quem falou de racismo e de apartheid em relação a este pequeno Estado moderno, civilizado, democrático, ao qual os nossos dirigentes não podem recusar nada ? A medida que acaba de ser tomada pelo ministério israelita da Agricultura diz respeito aos citadãos de Israel e proibe aos que não são judeus criar frangos, produzir ovos e cultivar batatas!

 

“Esta actividade é um direito exclusivo dos judeus das aldeias cooperativas (moshav)”, acabam de decretar as autoridades israelitas.

 

Os ovos produzidos pelas estruturas palestinianas (“palestinianos de 1948”, aqueles que têm a cidadania israelita) desapareceram do mercado em poucos dias e foram substituídos por ovos israelitas produzidos em cooperativas judaicas construídas sobre as ruinas das aldeias palestinianas destruídas durante a Nakba.

 

As autoridades de Telavive publicaram igualmente um decreto proibindo aos “árabes” de cultivar batatas, cedendo às pressões dos produtores israelitas. As autoridades tinham descoberto que a produção de batatas é barata e uma fonte importante de rendimentos para os palestinianos, sublinha Zouheir Andraos no site em inglês de Al-Akhbar.

 

Nesse mesmo artigo, publicado e traduzido pelo site de ISM France, ele relata que o “ministério israelita do Ambiente também proibiu recentemente aos palestinianos de Israel colher plantas correntemente utilizadas na alimentação dos palestinianos (como o tomilho e a malva), que não são nem conhecidas nem consumidas pelos judeus”. Isso levou o governo israelita a dar instruções às suas pretensas autoridades da Protecção do Ambiente para reprimir “os ladrões de plantas”. O governo anunciou oficialmente que essas plantas eram “espécies protegidas e que os que as colherem serão levados à justiça”.

 

As autoridades da Protecção do Ambiente começaram a aplicar multas aos palestinianos que colhiam “plantas protegidas”. Entretanto, comerciantes judeus que acabavam de descobrir a importância dessas plantas para os palestinianos, pediram as autorizações necessárias ao ministério da Agricultura para as cultivar e vender nos mercados árabes. Os palestinianos do interior tornaram-se o alvo de um comércio israelita lucrativo e popular.

 

No mesmo contexto, as autoridades da ocupação encontraram um outro canal para aumentar o domínio económico sobre os palestinianos: a empresa de cigarros Dubek (a única cigarreira israelita) anunciou que ia deixar de comprar tabaco aos agricultores árabes. O tabaco é uma das principais culturas de comercialização para os palestinianos, em particular na Galileia, dentro da chamada linha verde. Israel terá assim destruído uma das culturas árabes mais importantes na Palestina, e já começou a importar o tabaco do seu aliado turco.

 

Persistindo na sua guerra económica e em colaboração com a Jordânia, Israel fechou recentemente as pequenas oficinas de costura e tricôt na Galileia, no Triângulo e no Negev, a principal fonte de rendimentos para numerosas famílias palestinianas. As autoridades de ocupação têm a intenção de as deslocar para a Jordânia, com o pretexto de que lá a mão-de-obra é barata. Os boatos dizem, no entanto, que o projecto tem por objectivo apoiar a frágil economia jordana, além da determinação dos ocupantes em cortar as fontes de rendimentos dos palestinianos [refugiados] de 1948.

 

A política de domínio económico adoptada por Israel levou ao desemprego de um terço da mão-de-obra no Negev e em Umm al-Fahm. Ela fez aumentar o fosso entre o desemprego palestiniano e israelita, com uma taxa de desemprego de 25% para os palestinianos e de 6,5% para os israelitas. As mesmas estatísticas indicam que a metade das crianças palestinianas nos territórios de 1948 vivem actualmente abaixo do limiar da pobreza”.

 

 

Tradução da versão francesa em: CAPJPO-EuroPalestine, 12.12.2014

Fonte: Al Akhbar.

http://www.ism-france.org//communiques/Israel-resserre-son-etau-sur-les-Palestiniens-de-1948-article-19324

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D