Informação sobre a ocupação israelita, a resistência palestiniana e a solidariedade internacional *** email: comitepalestina@bdsportugal.org
04
Abr 18
publicado por samizdat, às 21:44link do post | comentar

Nesta sexta-feira 30, uma manifestação pacífica de mulheres, homens e crianças palestinianos reclamava, dentro das fronteiras de Gaza, o direito de retorno às casas de onde foram expulsas em 1948 as suas famílias. O espírito que levou a população de Gaza a aproximar-se da fronteira imposta por Israel é bem ilustrado por esta afirmação de um dos manifestantes, reproduzida pelo enviado especial do Le Monde : “Queremos enviar uma mensagem ao ocupante. Estamos de pé, existimos”.

Mas o exército israelita chamou-lhe “uma provocação do Hamas” e “um acto de terrorismo organizado”. A suposta ameaça que os cerca de 30 mil manifestantes civis representavam para o Estado de Israel foi o pretexto para soldados e atiradores israelitas serem colocados ao longo da fronteira com a ordem de atirar com balas reais contra qualquer pessoa que se aproximasse. O resultado do primeiro dia das manifestações, previstas para durarem até 15 de maio, data do 70º aniversário da ocupação, foi 16 mortos confirmados e mais de 1.400 feridos do lado palestiniano.

Cercada desde 2006 no enorme campo de concentração em que se tornou Gaza, sem acesso à necessidades mais básicas, regularmente bombardeada pelo exército de ocupação, a população palestiniana não tem sequer o direito de manifestar-se no território onde foi aprisionada, a poucas centenas de metros das suas terras ocupadas.

Este é mais um na longa lista dos crimes de guerra do Estado racista de Israel que o Comité de Solidariedade com a Palestina e o SOS Racismo repudiam. Não são os inquéritos propostos pela ONU e a União Europeia que irão travar a limpeza étnica iniciada há 70 anos. São precisas duras sanções contra o governo israelita para o obrigar a cumprir o direito internacional.

O MNE pondera expulsar diplomatas russos por uma tentativa de homicídio frustrada contra um agente russo em território estrangeiro, que ainda está por provar. Antes disso, deveria expulsar os diplomatas israelitas que dão a cara por este crime comprovado em território estrangeiro, com um saldo de vários mortos e centenas de feridos.

Comité de Solidariedade com a Palestina
SOS Racismo


mais sobre mim
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO